quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Após prisão, mulher confessa assassinato de adolescente em Goiatuba

De acordo com o delegado, Inglide Rose, 26 anos, é ex-mulher do companheiro da vítima e disse que cometeu o crime por ciúmes
A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira (14), em Goiatuba, Inglide Rose Tavares de Moura, de 26 anos, pelo homicídio da adolescente Nayara Xavier, de 17 anos. A vítima foi encontrada pelo namorado sem vida na casa onde o casal morava. Ela estava amordaçada e com as mãos amarradas. O delegado responsável pelo caso, Patrick Carniel, afirmou que a suspeita é ex-mulher do companheiro de Nayara e confessou ter cometido o crime por ciúmes.

Segundo a corporação, era por volta de 19h30, da última segunda-feira (13), quando a autora foi até a casa de Nayara e, após uma discussão, Inglide, fazendo o uso de uma faca, golpeou a adolescente no pescoço. Em seguida, ela amarrou as mãos da vítima para trás com uso de uma fita adesiva, além de tampar a boca e colocar uma sacola plástica na cabeça.  Já era 23h10, quando Nayara foi encontrada já sem vida pelo seu companheiro.
Durante as diligências para solucionar o caso, os policiais chegaram até a principal suspeita, a ex-mulher do compannheiro de Nayara. Ela foi conduzida para a delegacia onde passou por um interragotório na manhã de terça-feira (14).“Inicialmente ela negou ter ido até a residência da vítima ou qualquer participação no crime. Entretanto, após a equipe realizar diversas diligências e apresentar os resultados para a suspeita, ela então confessou o crime e deu detalhes de como tudo aconteceu”, explica Patrick Carniel.

A faca utilizada no crime foi apreendida pelos policiais. Segundo a corporação, ela pegou uma faca que estava na pia da casa da adolescente para executar o crime e, posteriormente, lavou e guardou o objeto,a mulher teve a prisão temporária de 30 dias decretada e está detida. Agora a PC deve concluir as investigações. A suspeita pode ser indiciada pelo crime de homicídio qualificado por motivo torpe, cujo a pena pode chegar até 30 anos de prisão.

Fontes:Mais Goiás

Postar um comentário