terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Dólar vira e passa a subir após ser cotado a R$ 3,10

Na véspera, moeda recuou 0,77%, vendido a R$ 3,1276, menor patamar de fechamento desde 25 de outubro (R$ 3,1065).
O Dólar opera em alta nesta terça-feira (31), após ter caído a R$ 3,10 mais cedo, de olho no mercado externo e influenciado pelo leilão de linha anunciado pelo Banco Central. 

Às 15h39, a moeda norte-americana subia 0,69%, vendida a R$ 3,1494. Veja a cotação.
Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,16%, a R$ 3,1223
Às 10h19, queda de 0,72%, a R$ 3,1048
Às 12h10, alta de 0,28%, a R$ 3,1364
Às 13h59, alta de 0,60%, a R$ 3,1464
Às 14h40, alta de 0,60%, a R$ 3,1465

"O dólar está vivendo um movimento exuberante, com expectativa de captações lá fora, atratividade do juro doméstico, melhora da economia após o corte da taxa Selic, bem como a previsão de que as reformas serão aprovadas", resumiu à Reuters o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer.

Decisão do BC

Esses fatores superaram o anúncio do Banco Central de que vai rolar apenas parcialmente os contratos de fevereiro referente a leilão de linha (venda com compromisso de recompra), o que poderia trazer pressão de alta à moeda.

Isso porque a autoridade vai deixar de rolar US$ 800 milhões, uma vez que o leilão abrange apenas US$ 1 bilhão do total de US$ 1,8 bilhão que vencem em fevereiro.

Esses US$ 800 milhões que não serão rolados podem gerar uma pressão compradora de moeda. Entretanto, os investidores que detêm esses contratos não necessariamente precisam adquirir a moeda, podendo apenas deixar vencer o contrato, o que ajudaria na queda do dólar frente ao real.
No exterior, o dólar caía ante uma cesta de moedas e também outras divisas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

Os investidores seguem atentos às medidas do presidente norte-americano, Donald Trump, e seus efeitos no mercado.

Véspera

O dólar caiu 1,66% nos dois pregões anteriores. Na véspera, recuou 0,77%, vendido a R$ 3,1276, menor patamar de fechamento desde 25 de outubro (R$ 3,1065), com investidores acreditando que o Federal Reserve, banco central norte-americano, pode não elevar os juros mais cedo que esperado, segundo a Reuters.

A economia dos Estados Unidos avançou menos do que o previsto no quarto trimestre de 2016, o que deve reduzir a pressão inflacionária e também as apostas de que o Fed possa elevar os juros ainda mais. O Federal Reserve define nesta quarta-feira nova taxa de juros e a expectativas são de que ela não será alterada, mantendo a faixa de 0,5 a 0,75%.

Fontes:G1
Postar um comentário